Archive for the ‘Coisas e Loisas’ Category

Cascatas de Amor
Maio 20, 2018

Há cascatas de amor com corpos girando no mistério cristalino do seu canto, e pedras escorregadias nos biquinhos de pé das ervas sombrias no rosto do dia à espera que o sol seja amor de mãe, lhes sorria e as aqueça de alegria!

A Perigosa Conjugação
Maio 20, 2018

“Querer é poder”, soletra sabiamente o povo para se convencer e as agruras e os obstáculos vencer!

Mas…

Tudo querer, privilegiando a própria vontade, não deixa ver a existência do outro ser, não proporciona o discernimento para escolher, nem faz crescer quem na confusão da perigosa conjugação do eu, tropeça na sua tirania, caindo no isolamento, não semeia o bem nos canteiros férteis e… cansado de si, sem saber e “sem querer” se deixa desfalecer e adormecer!

Olhares sem Memória
Maio 12, 2018

Nos rostos do tempo esquecido há traços de memória com sorrisos, de alegria e comoção, reflexos do já vivido e aprendido, mas não reconhecido pela descriminação da mentalidade de quem ainda não tem maturidade para ver e perceber que o sulcos enrugados, as pernas trôpegas e as mãos deformadas, mas tantas vezes exemplarmente gentis e generosas, já desfrutaram da vigorosa frescura da mocidade, lutaram e contribuíram para a construção da sociedade, foram flores viçosas com a sua idade!

A Dança das Palavras
Abril 30, 2018

A dança das palavras é um véu esvoaçando no brilho do nascente, rodopiando nos braços do vento quente, poisando de bicos de pé nas pedras dos rios molhadas de sabão, escorrendo nos cansados braços frios, mergulhando, ao poente, sonhos de imagens com sorrisos e calafrios!

A Sintonia do Coração
Abril 29, 2018

A fina sensibilidade da mãe que sente o seu bebé a mexer-se na caminha do quarto ao lado, estará para sempre ligada ao ser do seu ser, quer ele cresça, seja homem ou mulher emancipado, a sorrir ou a sofrer onde quer que se encontre instalado, porque a voz do coração não tem dimensão, nem fronteiras, mas a perfeita sintonia da natureza na tristeza e na alegria!

Virtuosos
Abril 28, 2018

Há amigos com asas de anjo no coração!

Há conhecidos com mãos-cheias de gratidão!

Há desconhecidos que nos estendem a mão!

Há profissionais que nos prestam atenção!

E…

Há monstrozinhos bem parecidos, atirando-nos para o chão! – pensam eles!

A Queda do Tempo
Abril 12, 2018

Nos degraus da escrita escorregam duas mãos nos limos do tempo, papagaios de papel com rastos de seda na dança perdida das estrelas entrelaçadas de cálidos sorrisos, espuma turquesa de gargalhadas apagadas!

O Escaldão numa Repartição 
Abril 12, 2018

O escaldão na repartição não tinha base na conversação; talvez se lesse em todo o rosto constrangido tratar-se de uma provável questão de retenção…

Ou…

Seria o ar condicionado regulado sem ter noção de que um ambiente ameno não é o mesmo de um soalheiro dia de verão, em que a “torrêra” alentejana queima a fivela do cinto e até à sombra causa insolação!…

E…

O silêncio é soprado por desejos de aragem de uma longínqua navegação…

A Alegria e a Tristeza
Abril 5, 2018

Na alegria e na tristeza, cada um é soberano para escolher com quem quer partilhar: festejar e/ou levar à sua mesa; desabafar e/ou chorar – em ambas as circunstâncias, abraçar e/ou ser abraçado!

E…

Quem se sentir rejeitado, por ser, e se julgar ou ter sido considerado amigo, cabe-lhe respeitar, aceitar sem comentar, serenamente, mesmo sentindo-se traído – isto, sim, é de gente grande, de Amigo!

A Escuta do Mudo
Abril 5, 2018

Escuta o teu amigo!

Não o interrompas!

Responde-lhe, se te questionar!

E…

De ti… nada digas, se não te perguntar…

Porque…

Se falares, ainda não se desligou.

Não te escuta, porque não terminou!

Não está atento, porque és o receptor-animador, simplesmente!