Archive for the ‘Coisas e Loisas’ Category

Ter a Língua a Arder
Agosto 8, 2017

Arde a língua com a comida a ferver, sendo melhor, para evitar sofrer, previamente soprar ou deixar arrefecer!

Arde a língua e pede água para apagar o fogo do picante, soprando pelos lábios de som arrepiante!

Arde a língua afiada de maledicência e atira achas para qualquer um, desenfreada, dando dentadas em si própria, parecendo não dar por nada!

E…

Arde a língua de fora, ora dobrada, seca e salgada toda engasgada, para pedir desculpa e dizer: Obrigada!

O Atirador de Pedras
Agosto 7, 2017

Atira pedras como chicotadas o ditador que olha para o filho como escravo, a quem veda a possibilidade de ser criança-jovem, e sonhador de um dia estudar e poder ser “doutor”, um curador de quem sofre tanta dor.

O Silencioso Choro das Mochilas da Precariedade
Agosto 6, 2017

As mochilas da precariedade são impiedosos e injustos fardos carregados às costas de cansadas crianças filhas do recibo verde, proibidas de usufruir dos benefícios do negado direito ao gozo de férias com os pais, sujeitas penosa e permanentemente às regras e aos desafetos das instituições que as acolhem num regime temporariamente definitivo onde proliferam aflitivos ecos de gritos escondidos no silencioso trinar próprio da sua idade, que já não consegue pipiar!…

A Geometria da Baía
Julho 25, 2017

No Pontal, a luz intensa do sol pinta o mar de transparente esmeralda e emoldura a baía na diversificada geometria ora triangular, ora retangular, ora quadrada, ora arredondada, sempre pela saudade revisitada!

Assimetria da Escrita
Julho 25, 2017

Geme a criatividade com o ruidoso gatafunhar de dedos engelhados de inspiração de quem não sabe soletrar as letras, nem ler as palavras, nem mergulhar nas raízes das suas essências, nem saborear o deleite das formas da escrita, nem descrever a vida com compassos de realidade na geometria da imaginação com espelhos de luz debruçados no terraço do coração!

As Honras do Mundo
Julho 6, 2017

As honras do mundo vestem-se de futilidade, geram despesa sem necessidade, alimentam a vaidade, iludem a racionalidade e desconhecem a generosidade despida de preconceitos, oferecendo à humanidade mãos cheias de nacos de pão, com pedidos de desculpa e jardins de perdão, com cocharrinhos de água fresca, refrescando os lábios, beijando o coração, sorrindo de comoção!

O Coração de Leão
Julho 6, 2017

Envenena o coração e perde a razão quem, observando-se vaidosa e inconscientemente ao espelho da vida, insulta o que vê de si próprio, atribuindo-o ao outro, e gesticula com a sua enfurecida juba de leão, coroando-se o Rei da Selva, o mais que mais dos demais, o que tudo sabe, mas que, escorregando nas pontiagudas pedras dos seus pés, cai e deixa ecoar no ar muitos e intermináveis ais, enquanto não aceita, nem se reconhece no bom exemplo dos seus modestos, mas riquíssimos pais!

O A-mi-go
Junho 27, 2017

O A-mi-go…

O [a] é como o de amanhã – poderá sê-lo? Talvez! E hoje?

O [-mi] é muito pessoal, diz a regra gramatical, mas é preciso concordar comigo, claro!

O [-go] à portuguesa, falta-lhe o -lo para entrar na baliza da amizade – ou será um “go” à inglesa?

Amigo “de verdade” é riqueza, não um tratamento de oportunidade!

Cortes no Tempo e Aumentos nas Lancheiras
Junho 24, 2017

Corria, apressada, olhando para o relógio, achando-se atrasada para a que ainda poderia ser uma demorada visita à amiga.

Ia carregada de lancheira, puxando pelo marido, também ele carregado, em direção ao elevador, ansiosa por chegar ao quarto de hospital, que, pela sua jovialidade, mais parece um hotel, e onde refastelada, a amiga já negara uma couve mal encarada e meia posta de peixe sem estar temperada!

Amigo de verdade é árvore florida dando fruta toda a vida!

Trabalhar e (des)Cansar
Junho 23, 2017

Há quem se canse de tanto labutar e de tão pouco ganhar, mas continua a lutar!

Há quem se canse de tanto procurar e de a tantas portas mendigar, sem trabalho encontrar!

E…

Há quem não se canse de magicar na melhor maneira de ficar ao sol a descansar sem se ralar!