Archive for the ‘Coisas e Loisas’ Category

Os Livros e a Comida
Abril 27, 2017

Os livros são para o intelecto como a comida para o corpo: querem-se coloridos, perfumados, gostosos e bem temperados, de fazer crescer água na boca, saborear e ficar com vontade de repetir!

Mas…

A diferença está na quantidade de que cada um necessita para se saciar:

– uns apreciam deleitar-se com o tipo petisco: um pratinho de sobremesa ou um livrinho com poucas páginas e letras gradas;

– outros optam por uma travessa bem cheia, ou um livro bem pesado;

– e ainda há os que preferem o tachão à mesa ou o volume tipo enciclopédia com letra miudinha, que os embaça, e pede umas pancadinhas nas costas, ou água, para “aquilo” ir para baixo, porque é demais, e… não se aguentam, mas… empanturram-se, ou não, e … ostentam-se…, ou dão um passeio para ajudar a digerir a fartura do repasto e aliviar a cabeça de tanta cogitação com fusão ou… grande confusão!…

A Cana
Abril 21, 2017

Querem ver algumas canas a boiar?

E…

Outras a bailar logo ali, debruçadas para a baía, a namorar o mar?

E…

Encontrei outras, no caminho para aqui!…

Cana-cajado, mão dada da idade!

Cana-caniçada, proteção de pobres!

Cana-cesto, arte de mãos calejadas!

Cana da Índia, multifacetada!

Cana-de-acúcar, mel vegetal!

Cana-do-Brejo, chá medicinal!

Cana-gaita, música de sopro!

Cana-jangada, barcaça artesanal!

Cana-ponteiro, quadro e pancada!

Tanta cana para apanhar, transformar, e… outras haverá!

As Curvas do Coração
Abril 21, 2017

Há perigosas curvas nas estradas de terra batida e alcatroada, e também as há nos trilhos do coração, guiando-nos fora de mão, aos ziguezagues da razão, com folgas no travão, embatendo-nos nos dolorosos rochedos da desilusão, desenhando sombras orvalhadas de sonhos perdidos no chão…

Mas…

Levantamo-nos corajosa e rapidamente!

E…

Mudamos confiante e sabiamente de direção!

Vozes na Sala de Espera
Abril 6, 2017

Duas gerações lado a lado, numa sala de espera, e um transparente cordão umbilical.

A dependência de uma mãe, justificando ao sereno e ocupado filho a sua demora, que fora, de facto, uma ausência breve:

” – Estava lá uma senhora!” – retorquiu, sentando-se, atrapalhada com a mala, olhando para a papelada.

O zeloso descendente dá amorosa e serenamente instruções à mãe para a consulta, as quais ela interrompe, perguntando-lhe:

” – Queres entrar comigo? Podias.”

Fazendo-se passar por surdo-mudo, o jovem entrega educada e carinhosamente à progenitora os exames de diagnóstico; ela insiste no seu convite:

” – Queres entrar comigo? Eu posso perguntar à doutora!”

Por instantes, a senhora fica calada, aguardando a chamada como uma menina bem comportada.

O silêncio instala-se entre ambos.

No meio de vaga conversa, desinteressada, a mãe insiste como uma criança que quer muito um chupa-chupa:

” – Queres entrar comigo? Podias. Se perguntar à médica, ela não se importa, com certeza.”

“- A mãe pode ir sozinha!” – responde o filho, assertivamente, acompanhando negativamente com a cabeça.

“Ele”, diria a “ti´” “Jaquina” há filhos “têmosos” e mães que não lhes ficam atrás, e quando a situação é inversa a esta, elas, algumas, “já se vê” até têm o direito de perder a paciência e… dar ordens ou… outras “coisas”, infelizmente!…

A Praia da Vida
Março 14, 2017

O sonho é o desejo que amanhece!

O trabalho é o dever que fortalece!

A saudade é o amor que não adormece!

E…

Na praia da vida, o homem sonha, trabalha, ama, vive, sorri, chora e… cresce!

A Distinção dos Topos
Março 6, 2017

Version 2

Há quem atinja os topos e desça e suba rampas com a mesma ligeireza, cumprimentando conhecidos e abraçando amigos como se todos os dias se sentassem à mesma mesa e partilhassem a vida, o pão e a solidão, e todos dessem a mão numa única roda onde as diferenças são elos de ligação.

E…

Há quem nos topos da imaginação se esqueça do abecedário do coração, e, sem memória, vai até colocando na boca de outrem a história, a recomendação e a lição que lhe foi dada doce, graciosa e gratuitamente numa bandeja com flores beijadas pelo seu irmão, baloiçando-se na ilusão do banco da solidão!…

A Criança e a Escola
Março 4, 2017

Sorriso Escondido, 2012

A escola é a alma da criança e sem a luz do seu sorriso, sem o seu chilreio no recreio e sem a roda de mãos dadas com: as letras, os números e os arco-íris das ciências perfumadas de lápis, papel, giz, surpresas e deceções, perde-se a identidade com o espaço, as gentes, a cultura e tradição local, e as paupérrimas povoações ficam votadas à solidão do jogo da cabra-cega, são roubadas de sonhos, perdem a essência da vida.

Tudo Querer
Fevereiro 26, 2017

mare-dourada-2016

Tudo querer!

Tudo querer saber!

Tudo querer viver sem uma beliscadura!

Tudo querer conquistar e a todos vencer!

Tudo querer e poder e a todos e tudo recorrer!

É… o cansativo correr à deriva, às escondidas, na ilusão de miragens!

É… fugir de si, de tudo e do nada!

É… negar o abraço do milagre da sua existência sem supremas exigências de um ser que precisa de parar, de respirar, de amar, alegrando-se e alegrando, surpreendendo e deixando-se surpreender, no ondular da vida na praia onde o sol amanhece e adormece, e o inimaginável acontece!

Escritas a Quatro Mãos
Fevereiro 11, 2017

corrida-de-ondas-2012

Escritas a quatro mãos são abraços do coração entrelaçados na imaginação quando as mãos são de amigos, ou de amantes, ou de irmãos, perscrutando os segredos da vida na silenciosa cumplicidade do arco-íris, soletrando cada palavra com sorrisos musicados de alegria, acordando as estrelas adormecidas na noite fria com beijos de Bom Dia!

Reflexos de Ti
Fevereiro 10, 2017

mergulhos-no-espelho-marinho-2016

Há pessoas que cumprimento e que me cumprimentam.

Há pessoas a quem sorrio e que sorriem para mim.

Mas…

Nestas pessoas que cumprimento e me cumprimentam, a quem sorrio e que sorriem para mim, não elas que vejo, nem encontro, mas a ti!