Archive for Setembro, 2018

A Pagizinha e o Regresso aos Bordados
Setembro 30, 2018

A Pagizinha voltou para os bordados!

Estava contente, mas… manifestando, cabisbaixo, alguma insegurança: “já não sei bordar!”

Que engano!

A Pagizinha pôs o dedal, pegou na agulha, já com a linha azul que ela escolhera para realizar o teste, e o ponto cadeia começou a soltar-se dos seus dedinhos com perfeição, brilhando numa pequena cambraia vermelha, que ela admitiu aproveitar posteriormente:

” – Depois posso fazer daqui um babete para uma das minhas filhas!”

Fiquei a saber que a minha amiguinha tem uns óculos novos, vermelhos, que não trouxe, “porque vim à pressa”, mas… deixou-me curiosa!…

Sobre o bordado iam poisando imagens traçadas com palavras acentuadas de emoções relacionadas com: o início do ano letivo, as atividades extracurriculares, os rebuçados de mentol, refrescando o nariz, e o protetor solar, entre outros…

Mas…

Uma experiência recente com o pai, inundava a Pagizinha de alegria, iluminando o seu rosto:

” – Andei de mota com o meu pai!”

O tempo passa a correr, e a hora do jantar em família aproximava-se, por isso, e também “à pressa”, despedimo-nos…

A Edificação da Fortaleza
Setembro 30, 2018

A fortaleza é um alento para ser erguido em cada momento, é a clareza do pensamento ao serviço do talento, é a nobre firmeza, afugentando as ideias de cata-vento.

Tudo Querer
Setembro 30, 2018

Quem quer tudo é cego e mudo!

A Cegueira da Ambição
Setembro 30, 2018

A cega ambição é a ilusão de quem não tem tino, não se rege pela razão, nem poisa os pés no chão!

O Elástico da Perfeição
Setembro 30, 2018

Quem estica demasiado o elástico da perfeição, magoa a sua ambição e sente um choque na mão!

Sorriso do Dia – O Despertar do Dia
Setembro 30, 2018

Chovem sorrisos na clara madrugada, embalando as estrelas de cara ensonada, acenando ao dia de boca rosada!

Gente Boa da Minha Aldeia – A Avó Zeladora
Setembro 29, 2018

Estava à esquina, de preto vestida, triste cor escolhida para o resto da vida, com uma bata por cima, o olhar atento à neta atrevida, vigiando os seus passos, receando que o perigoso a levasse na cantiga…

Choramingou, desejando a sua partida para superar mais aquele desgosto, sem forças para tomar qualquer medida!…

E…

Há momentos em que o calor de um abracinho, palavras de mel e muito carinho despontam entre as profundas rugas um tímido sorrisinho…

E…

Respirando o breve conforto da serenidade a dedicada e solitária avó consegue zelar pela sua amada neta com um discreto silêncio…

A Prudência
Setembro 29, 2018

Quem tem medo de ser roubado, caminhe com prudência e olhe para o lado, mas reconheça a fidelidade amiga e deixe de ser desconfiado.

Estórias de Meninos – O Conselho do Pequeno Calção Turquesa
Setembro 29, 2018

Encontrei um calção turquesa de olho vivo parado na escada! Ostentava um telemóvel gigante, digo eu, que só me familiarizo com os que posso fechar na mão, e franzia o sobrolho, contrariado.

Dei-lhe as boas-tardes, e aproximei-me.

O calção azul turquesa voltou a blusa azul-escura na minha direção, ergueu os enormes olhos cor de azeitona, e retribuiu a saudação, ao mesmo tempo que lamentava de olho fixo num écran que já não falava:

” – Não tenho saldo; só vinte e cinco cêntimos! Lá em casa só costumamos carregar no fim do mês e ainda faltam alguns dias.”

Juntei a minha expressão desapontada à sua, encolhemos os ombros e descemos juntos.

Tentei desviar a sua atenção, manifestando o meu apreço pelo corte do seu negro e brilhante cabelo, curtinho atrás e com uma discreta popinha apontando para o meio da sua testa.

” – É giro, não é? Cortei hoje! Eu gosto!” – respondeu o cabelinho curtinho, expedito e visivelmente satisfeito.

” – Eu também gosto, e fica-te muito bem!” – respondi-lhe.

Olhei para as suas simpáticas bochechas rosadas e perguntei-lhe se vinha da explicação, o que o pequeno calção turquesa confirmou.

” – A tua explicadora é muito boa!” – comentei.

” – É muito fixe!” – concordou o grande sorriso.

Ao virar da esquina, o gentil calção turquesa parecia ter crescido, pois perguntou-me qual o caminho que eu tomaria e, depois de indicar-lhe que seguiria em frente, afirmou com ares de promissor cavalheiro:

” – Vou contigo!”

Pelo caminho, voltámos a falar sobre a insuficiência de saldo para combinar a hora do encontro com uma das suas amiga – fiquei até a saber a zona onde ela morava… -, e o meu interlocutor já tinha concluído que seria vantajoso programarem atempadamente os encontros, tendo em conta os horários escolares, sem gastadoras trocas de: “Ok”, entre outras.

” – Acho uma boa ideia!” – declarou, determinado!

Antes de nos despedirmos, o pequeno calção azul turquesa, retribuiu-me a recomendação de seguir sempre por aquela via pública “por ser mais segura e movimentada”, repetindo-me este caloroso conselho, enquanto se afastava:

” – Nunca vás pelo corredor da escola! É perigoso! Já fizeram mal a umas senhoras e até deram porrada noutras mulheres! Nunca vás por ali!”

Agradeci-lhe e acenámos uns ao outro com pena de termos de nos separar ali…

O Arco e o Balão
Setembro 29, 2018

O arco e o balão é a festa popular, trazendo colorida e alegremente à rua a tradição de cada santo pela mão!