Archive for Outubro, 2007

Encontro com o “Eu”
Outubro 22, 2007

O Vento

Ninguém se pode negar!

Há reencontros inevitáveis e sucessivos com o “eu”, onda que avança e que busca a força quando recua e a expressa ao projectar-se novamente.

Ter saudades de si próprio significa ter saciado a areia, acariciado os seus grãos, juntado as conchas solitárias, dançado com os seixos, refrescado os outros dos escaldões da vida, e ter-se esquecido de que também existe.

Anúncios

Flores com Sorrisos
Outubro 21, 2007

O sorriso de dia 20 de Outubro é florido e cresce livre pelos campos, embelezando e enriquecendo a vida de uma forma única – parabéns, linda Cláudia!

Transforma a tua vida num jardim de flores coloridas de amor e perfumadas de carinho, que despontam e que ofereces a ti, a quem amas e ao mundo com alegria!

Sê árvore crescendo sem parar, vestida de esperança, com ramos que abraçam, sombra que conforta, flores que dançam e frutos que sorriam!

Sinfonia Matinal
Outubro 21, 2007

Sorriso

Sorriso Matinal – 07/10/19, 07h

Um repicar de sinos que eleva a alma, uma alegre sinfonia de bons-dias de pássaros invisíveis penetrando no quarto, despertando nas robustas e ancestrais árvores, que ontem mostravam sinais de tristeza nalgumas folhas amarelecidas que, muito em breve, atapetarão a terra.

Uma hora depois, o sol espreita dourado entre a folhagem e desenha a janela na parede oposta.

São quase horas do pequeno almoço; alguém espera por mim.

Silêncio, Sorrisos e um Amigo
Outubro 21, 2007

07/10/18

Uma tarde de paz e silêncio, carinhosa e esporadicamente interrompido pelo canto harmonioso dos pássaros e por sorrisos de crianças misturados com frases imperceptíveis, na companhia de um livro – 2.º “dia” de férias!

Sorrisos de Outros Dias
Outubro 21, 2007

07/10/15

Almoço apressado, a três no “Hotel de Cinco Estrelas”.
Um encantador jovem deliciou-se com um desejado prato de bacalhau assado, numa mesa cujo prato principal era o amor saudoso, regado com carinho a transbordar.

Outros sorrisos que o coração e a mente registam, mas que as mãos, ocupadas não reproduziram no próprio dia

A notícia da cura de uma amiga!

As boas-vindas a uma nova colega!

A notícia do casamento de uma amiga de infância, alguém muito especial – que a sua felicidade cresça bela, robusta e saudável como a sua trança ruiva!

O nascimento abençoado da Helena!

Inquisitor Menor
Outubro 21, 2007

Mocho Sábio

07/10/15

Quem prepara uma fogueira para queimar o justo, humilha-se a si próprio, na sua mesquinhez e condena os seus conhecimentos técnicos, desprovidos de sabedoria humana, porque aqueles são importantes, mas utilizados apenas num campo, o profissional!…

E…

O verdadeiro Homem revela-se em todos os minutos e contextos da sua vida – pêsames!

Surpresas!
Outubro 21, 2007

Paz

07/10/14

O sorriso de uma amiga com um vasinho em cada mão, delicadamente feitos e decorados por si, onde colocou plantas diferentes – muito obrigada por este carinho!

Às 23h 15m

Dois toques à campainha, um:

“Sou eu, o …” –  produzido por uma voz linda e doce!

O acelerar de um coração enternecido e saudoso!

Um abraço intermiavel entre sorrisos !– muito obrigada, Amor!

Uma saída apressada, arrastada pelo cansaço!

Que pena!

Teria pouco para dizer, mas certamente muito para ouvir, senão pela quantidade, sem dúvida pela importância da partilha de factos relevantes, que se vão perdendo no tempo.

Férias bem Condimentadas
Outubro 21, 2007

Sorriso
07/10/12
1.º Dia de Férias

O silêncio e a paz de um verdadeiro e desejado dia de férias passado tranquilamente na casa da maninha, adoçado pela escrita, na companhia da mãe, e animado com os preparativos da querida anfitriã para um encontro em grupo com as vozes nocturnas da Serra de Sintra.

Festa de Aniversário
Outubro 21, 2007

07/10/11

Feliz Aniversário!

A festa íntima e renovada de um nascimento, graças a Deus!

Um jantar italiano na capital, onde uma septuagenária acompanhava os mais jovens na pizza e na sangria, e muita alegria à portuguesa – faltava alguém!

Alvo Errado
Outubro 21, 2007

Idosos

07/10/10

O conflito está no “eu” do pobre arrogante, autoritário e prepotente que se considera o centro do mundo e que, enfurecido como um leão esfomeado e sem memória das suas palavras de ser racional, se atira a si próprio na pessoa do “outro”, sob o pretexto de um provável evento, sem ter o bom senso de dialogar para (re)apresentar os seus pontos de vista e, sobretudo, resolver algo que se afigura benéfico para todos – o homem – este – é um ser inteligente?