Archive for Maio, 2010

Um Sorriso Chamado Ver
Maio 16, 2010

Ver, um sorriso de hoje, de ontem de sempre!

Ver com os olhos, ver com os sentidos, ver com o eu profundo de cada um, para além do que todos vêem.

Ver e sentir com o coração, com a luz da inteligência, com a certeza gratificante de: eu vivo, obrigada!

Bom dia para todos com um sorriso desconhecido, mas que existe e que deixo aqui.

Maria

Anúncios

Vicissitudes do Sr. V
Maio 16, 2010

Mar Espumado-Esverdeado, 2010

O Sr. V é um verdadeiro velhaco!

velhote, vinga-se nos vícios, vergando a vida dos viajantes à sua vontade, vertiginosamente.

Vestido de violeta, vira o vento violento, que valsa com as valquírias, varre com as vovós, vigia os vagabundos e viravolta os vadios com vassouradas.

Verte vinho verde da vinha VIP nos vasos de vidro dos viscondes, dos vices, e vermute no dos vassalos.

Verseja vaidoso com um violino vistoso, em voga, à volta das virgens e das viúvas.

Vangloria-se em vaivém das vantagens dos valores das vastas varonias.

Veleja vaticinando veleidades no venturoso veleiro.

Vende venenos valorosos e verbas variegadas ao venerado vereador.

Ventila com véus verbais verdades nas veredas verdoengas do Verão vermelhão.

Viaja viçoso nas viaturas de vidraças vesgas pelas vias vibráteis, de viés.

Vinga pela vilania, viúvo do vínculo vital de viver, de voltear, de voar e de vencer virtuosa e verdadeiramente

Quando o Tempo Passa
Maio 15, 2010

Quando o Inverno assolava na costa e no campo, os meninos pediam esmola.

Quando o Verão brilhava na terra e no mar, os meninos corriam e bebiam água fresca.

Quando o Outono despia as árvores e entristecia o céu, os meninos sonhavam ir para a escola.

Quando a Primavera vestia as árvores e trazia as andorinhas, os meninos percebiam que tinham crescido.

Quando o Inverno, o Verão, o Outono e a Primavera se foram sucedendo, os meninos tornaram-se homens e mulheres e construíram um país, cada um com o seu esforço.

Quando o Inverno, o Verão, o Outono e a Primavera pintaram de branco os cabelos dos homens e das mulheres que construíram o país, eles estavam cansados e sentaram-se nos bancos do jardim a conversarem, sem serem ouvidos pelos mais novos, e a sorrirem para os meninos que lhes mostravam as bolas e para as meninas que lhes ofereciam flores.

E quando a Primavera mudou o tom da voz dos meninos e moldou o corpo das meninas, os bancos do jardim ficaram sozinhos.

Calceteiros e Senhores
Maio 14, 2010

A Calçada da Estação da C.P., 2010

Os calceteiros estão cada vez mais curvados nas pedras da calçada lusa, fazendo contas à vida.
À sua frente circulam senhores indiferentes de mãos cheias nos bolsos, deixando atrás de si o som de trocos a chocalhar.

O Jogo da Inteligência e da Esperteza
Maio 14, 2010

Árvore Florida de Primavera, 2010

A inteligência vence a esperteza, que se imagina o máximo na sua astuta, mas mal tecida argumentação, acreditando que consegue persuadir a adversária, a qual, segura e assertiva, joga como lhe aprova: passa a bola, tira a bola e ataca marcando golo na baliza do bem comum – justa vitória! Parabéns!

Precedentes
Maio 14, 2010

Jarros, 2010

À experiência precede a aprendizagem.

À maturidade precede a caminhada.

À educação precede o ensinamento.

À humildade precede a simplicidade.

À gratidão precede o reconhecimento.

Quem não aprende, não caminha , não (se) ensina, não é simples, nem (se) reconhece, percorre a vida, envelhece, mas nunca cresce!

Prémios de Austeridade
Maio 14, 2010

Árvores-Trio, 2010

A D. Poupada vai receber um prémio de poupança na água e na luz, porque não lava a louça do almoço, que traz de casa, no serviço, portanto terá um plano de austeridade mais suave.

A D. Bebe Muito e Verte Quanto Basta, gasta água pública a triplicar: a que ingere, a que descarrega no autoclismo e a que consome a lavar as mãos, apesar de comprar o sabão líquido e o papel de dupla função – mas não é ela quem os utiliza mais? E que importa as horas gratuitas que faz, se no Inverno acresce o consumo da luz?

A D. Agora que Estou a Aprender uma Coisas já percebeu que quanto mais aprende, mais tempo fica no serviço e, portanto, aumenta a desvantagem de trabalhar mais e ganhar menos, e diz:
“- Nã, nã, isto nã pode ser! Vamos embora que se faz tarde!” “Pobrete, mas alegrete!”

A Bola Saltitona
Maio 14, 2010

Ondas de Maio, 2010

Antes de ser senhora, era menina.

Antes de ser bola, era senhora.

Antes de ficar presa na teia da aranha venenosa, transformou-se em bola.

Antes de saltar sobre a teia, concentrou-se e lançou-se.

Antes de bater no chão e deslizar na relva gritou:

“- Desta vez safei-me! Uf!”

Um Sorriso Florido
Maio 7, 2010

Um sorriso florido de duas rosas na jarra da secretária, substituindo os malmequeres que “não se deram” com a temperatura da sala.

Um(a) autor(a) desconhecido(a) e um agradecimento junto às pétalas perfumadas com um sorriso do peito entre muitos que todos os dias descubro e colho alegremente no caminho da vida.

A Liberdade dos Gregos
Maio 7, 2010

Árvore Lilás, 2010

Os gregos deixaram de ser homens livres e passaram a ser escravos de uma desgovernação, no meio de deuses adormecidos, em busca desesperada de uma nova helenização.