Archive for Abril, 2013

Os Segredos da Casa Vaidosa
Abril 30, 2013

Reflexo - Casa, 2013

A casa branca é muito vaidosa! Leva o dia a mirar-se ao espelho!

E… imaginem! Faz piruetas e caretas, alongamentos e  abdominais, e dá cambalhotas, deslizando nas águas até ficar de pé!

A casa branca-vaidosa também  gosta muito de saber o que se passa à sua volta, por isso tens sempre os seus olhos negros, as janelas e a porta, desmesuradamente abertos – nem pestaneja!

Mas… quando a casa branca vê os cães atrelados aos donos a falar estrangeiro a invadir o antigo rio, e a assustar as crianças da aldeia, assobia às quedas de água e juntas batem tambores nas pedras, amedrontando-os!

A pequenada, vendo-os afastarem-se aos pulos, puxando pelos donos, bate palmas e começa a brincar sob o olhar vigilante do “tio” Narciso e da “tia” Hortênsia, que passam horas e horas, revivendo as histórias da sua juventude e da “famila” da sua aldeia!

Então,  a casa branca-vaidosa continua a ver-se ao espelho, baloiçando-se no sereno entardecer com os risos das crianças, soltando-se ao ritmo da nascente cristalina!

A Nascente dos Desejos
Abril 30, 2013

A Nascente, 2013

Mergulham pássaros embriagados de amor na fonte profunda dos desejos e emergem chilreios com asas de sonhos.

As Cores e os Perfumes Inspiradores
Abril 28, 2013

Flores, Cacho Ascendente, 2013

O  cacho florido abre as asas das suas pétalas rosa, e atravessa a folhagem com olhos dourados, à procura de um cavalo de nuvens brancas, que  leve as cores e os perfumes do jardim, cuidadosamente embrulhados  nas verdes folhas,  para inspirar o poeta dos olhos tristes, que toca realejo à beira do rio!

O Sonho de Tule – O Reencontro com a Seni
Abril 28, 2013

Um sonho de tule by lusografias

Reencontrei a Seni!

Reconhecia-a, não obstante estar de costas para a porta, quando entrei!

Está muito crescia e cada vez mais bonita! Também tem o cabelo mais comprido, e os olhos pareciam maiores e mais claros!

Quando se voltou, sorriu, aproximou-se de mim e abraçou-me!

Pouco depois, vi-a entrar na sala com o seu vestido de tule e… começar a dar os primeiros passos cheios de leveza e elegância na companhia de outras meninas, igualmente distintas e sorridentes, harmoniosamente articulados com graciosos movimentos do tronco, elevando os braços como quem quer agarrar um sonho, deslizando numa nuvem!

Piteiras Pedras de Escrever
Abril 26, 2013

Piteira Autografada

 

Juras de amor que os insaciáveis e inseguros corações não abarcam, e que tornam as passivas piteiras em templos de promessas de deuses primitivos!

Aerograma N.º 13 – Para ti, Estrelícia!
Abril 26, 2013

Flores - Estrelícia

 

Olho para as estrelícias, brilhando num jardim,  e vejo-te, minha irmã, escutando o batuque da tua terra onde o calor é vaivém de brisa marinha do Alentejo, percorrendo o teu corpo e  pulsando no teu coração, as nuvens de pó são luz da pátria renascida, e a miséria sementes de dor regadas de esperança!

E… num repentino gesto de ternura colho esta flor de firme porte, vestida de sol ardente, de braços erguidos de vencedora,  reconhecendo-te nela, e trago-ta – aceita-a!

Abraço apertadinho florido de saudade,

Tua mana-amigalhaça

 

Aerograma N.º 12 – O Perene Perfume Doce das Açucenas
Abril 26, 2013

Flores - Açucena e Margaridas

Querida Bé,

Percorria o Jardim da Estrela com uma pasta na mão e lá dentro um bloco de cartas com algumas linhas escritas numa folha, e a tua, florida de ternura, fora do sobrescrito!

Pensei sentar-me num banco e partilhar contigo aquele momento em que os meus olhos não se estendiam na imensidão do mar, mas perdiam-se nos ramos das árvores gigantes, bailando no céu acariciadas pelo sol ensonado.

A brisa arrefecia o meu corpo transpirado por uma longa e prazenteira caminhada, e optei prudentemente por adiar este nosso encontro, recordando-me das recomendações clínicas, ainda mornas, mas colhi das árvores cachos de flores brancas e rosa para te oferecer – este ano, os canteiros estavam tristemente despidos!

Saí, e encontrei um pouco mais à frente, estas flores irmãmente juntinhas, confiando segredos, sentindo os seus perfumes, partilhando a vida, que me falaram dos dias em que regávamos os jarros e as açucenas do jardim da madrinha.

Sorri para as tuas bochechas de bebé, para o teu encanto, olhando o mundo, e namorando o passe-vite, para o teu sorriso a crescer contigo, pedi licença e trouxe-tas!

Beijinhos perfumados de doces açucenas de uma primavera infinita!

Tua Bá

O Cansaço sem Esperança
Abril 25, 2013

Família de camponeses by lusografias

Atravessei a cidade, e deparei-me com esta obra de arte, que parecia ter sido colocada naquele local recentemente, pois nunca me apercebera da sua presença – que vã ilusão!

Parei atónita, e olhei-a atentamente como uma criança!

Depois, aproximei-me curiosa, e colhi a imagem cansada da viagem!

Sorri para a sua soberba beleza, e afastei-me, olhando para o atual êxodo da sociedade portuguesa da cidade para o campo em busca do pão, no regresso ao salto das fronteiras sem esperança, e na falta de uma lei que proíba que os dois cônjuges de uma família estejam desempregados.

A Conjugação Cultural do Bem e do Mal
Abril 25, 2013

Fonte de (B)Vetaça, 2013

Não há civilizações perfeitas! Todas têm o cunho do bem e a seta envenenada da maldade, porque são constituídas por homens, e esta é a sua natureza, independentemente da história da cultura em que se inserem.

O Poder do Clarão da Verdade
Abril 25, 2013

Entardecer Rubro, 2013

Não te escondas atrás da mentira, porque o surpreendente clarão da verdade atravessa a escuridão, e pode encandear-te!