Archive for Abril, 2017

As Gentilezas
Abril 30, 2017

As coloridas gentilezas dos eventos são os sinceros e simpáticos sorrisos de cada momento.

A Minha Aldeia e o Festival das Velas
Abril 30, 2017

Chegaram as velas no oceano deslizante com muita gente a bordo e fardas de cadetes e de comandantes com botões dourados e brilhantes, com ondas nos dentes, sal calejando-lhe as mãos de saber, e sonhos de aventura pulsando no coração, unindo esta, aquela e outra, e outra… nação!

São dias de festa com estadia nos portos e pés na terra com música, com gastronomia de comer e chorar pro mais bem regada de cantantes e cristalinas uvas alentejanas, e com muita animação, em que as visitantes velas-humanas são o palco de tudo e alvo de toda a atenção, sentindo e atirando alguns olhares brilhantes de tentação…

No DIA DA DANÇA, tudo dança, e até o vento se diverte a brincar com as crianças, correndo, sem frio, ou rodando as saias rodadas-alaranjadas com bolinhas brancas pintadas, colocando graciosamente os óculos de sol no chão!…

Depois da missa dominical, ecoará o canto nacional e, por sinal, regional, património da Humanidade, as vozes da tuna da nossa universidade far-se-ão ouvir, e os concerto de desconsertar também, as músicas do Carnaval a desfilar, espetáculos sem fim, “uma coisa por demais”, um “só visto” de espantado saindo da boca enrugada de alguns casais…

E… continuarão as filas para os olhos curiosos serem marinheiros nos barcos atracados, imaginando-se neles a navegar, vencedores de corcéis nos vendavais, espelhos de venturas nos portos de abrigo, suspirando segui-los amanhã com sonhos nas velas abertas, lavrando o mar, olhando para trás, enamoradas, a acenar…

A Disciplina e a Autoestima
Abril 30, 2017

Na casa do ser, o terraço da disciplina ergue o olhar e sorri para o mundo com pestanas de autoestima!

O Desafortunado
Abril 27, 2017

Respeita o que sofre, e ajuda-o, se puderes e to permitir, mas do desafortunado nunca te ponhas a rir!

Os Livros e a Comida
Abril 27, 2017

Os livros são para o intelecto como a comida para o corpo: querem-se coloridos, perfumados, gostosos e bem temperados, de fazer crescer água na boca, saborear e ficar com vontade de repetir!

Mas…

A diferença está na quantidade de que cada um necessita para se saciar:

– uns apreciam deleitar-se com o tipo petisco: um pratinho de sobremesa ou um livrinho com poucas páginas e letras gradas;

– outros optam por uma travessa bem cheia, ou um livro bem pesado;

– e ainda há os que preferem o tachão à mesa ou o volume tipo enciclopédia com letra miudinha, que os embaça, e pede umas pancadinhas nas costas, ou água, para “aquilo” ir para baixo, porque é demais, e… não se aguentam, mas… empanturram-se, ou não, e … ostentam-se…, ou dão um passeio para ajudar a digerir a fartura do repasto e aliviar a cabeça de tanta cogitação com fusão ou… grande confusão!…

Sorriso do Dia – Começar a Cantar
Abril 27, 2017

Abrir a janela à madrugada e vislumbrar, lá ao fundo, um sereno barquinho a pescar, é abrir o coração ao dia e começar a cantar!

O Procópio, o Pirolito e o [H] Mudo
Abril 27, 2017

– Ó Procopiozito, posso dizer-te uma coisinha?

– Diz, Pirolitozito, mas… sê rápido, por favor, porque estou com pressa; tenho um compromisso e gosto de ser pontual!

– Sou rapidinho, sim, amiguinho Procopiozinho! Sabes porque é que a “muler” é diferente da “coler”?

– Pirolito, afinal ias dizer-me algo ou perguntar-me? Pronúncias incorretas, Pirolito; talvez nalguns contextos, excepcionalmente, sejam consideradas diferenças de falares regionais.

– Discordo, mestre Procopiozito-Amiguito!

– Já sabia, Pirolitozito-Amiguito! Tens um minuto para me esclareceres!

– É para já! Há “muler” com um [h] mudo, porque quanto mais caladinha, melhor a mulher fala, dizem as más línguas; e há “coler” com [h] surdo, porque com a correria dos tempos modernos já ninguém pega na colher a horas, nem as ouve; depois queixam-se de que têm o relógio biológico avariado, diz aqui o pensador Pirolito.

– Ah! Ah! Boa, Pirolito! Tenho de chegar a horas. Vou.

– Vai, sim, Procópio jeitosinho! Precisas de “cegar” a horas, porque estás cego de amores, ou pensas que não percebo por que vais sair tão penteadinho e perfumadinho? As minhas penas também pensam, e repensam!

– Volta-te para a gramática, Pirolito! Nos dígrafos “lh” e “ch”…

– Já sei, mestre Procópio! O [h] dá música às consoantes com as quais se acasala!

– Ah! Ah! Boa explicação, Pirolito, vinda de um papagaio falante e pensador. Atenta que os seguintes grupos de letras, os dígrafos: rr, ss, ch, lh e nh representam uma só consoante e simbolizam apenas um som.

– Cuidado com o [h] mudo, Procópio, porque ele tem voz de homem e honra na hora marcada… com… o feminino…

Obrigação e Dedicação
Abril 27, 2017

A obrigação é o cumprimento de dever institucionalizado!

E…

A dedicação é a entrega de coração sem ser-se obrigado!

Entre…

A obrigação e a dedicação há uma confusão de mentalidade!

Sorriso do Dia – A Árvore do Silêncio
Abril 27, 2017

Sorriso do dia é dar beijinhos repenicadinhos nas maçãs de seda do teu rosto de menino, despertando docemente os ramos da árvore do silêncio com rubros bagos de romã na luz fria e envergonhada da manhã!

O Caudal do Amor
Abril 27, 2017

O amor é um transparente caudal onde podes nadar na abundância da alegria, e onde sabes que tens pé na sintonia da dança dos sentidos com o pulsar do coração, sentindo sempre o calor e força de uma mão segurando na tua mão, presencialmente ou não!