Archive for Dezembro, 2016

O Sorriso!
Dezembro 31, 2016

manto-branco-2012

O sorriso é a voz e a escuta, o olhar do coração e a poesia em ação, o abraço do sim e o beijo do não!

Sorriso do Dia – A Luz Laranja
Dezembro 31, 2016

vigilancia-laranja-2012

A luz laranja enche a praia, e as crianças aplaudem o seu deslizar na transparência das águas, saltitando, na esperança de que as suas braçadeiras mudem rumo das ondas!

Dias de Festa
Dezembro 31, 2016

deleite-de-ondas-2012

Nos dias de festa, uns deleitam-se nas ondas da alegria, outros afogam a harmonia!

Encomenda Musical
Dezembro 30, 2016

bolhas-de-cristal-2012

Na hora da minha partida, toquem o vosso saxofone e o vosso violino, para que os Anjos abram as portas do paraíso!

A Petrinha e o Pedrinho – Os Papéis Trocados e a Vista
Dezembro 30, 2016

Meninos no carrinho

– Ó Petrinha, achas que alguém é capaz de ensinar o Pai-Nosso ao Vigário?

– Claro que não, Pedrinho!

– Foi o que pensei, Petrinha! E… Olha lá!

– Estou a olhar, Pedrinho, mas… não vejo nada, nem ouço!

– Que engraçadinha, Petrinha! Então e tu achas que ensinar aquilo, feito “Chico Esperto”, como diz tio Davide, ao Sr. Prior é o mesmo que armar-se em doutor e querer dar lições ao professor sobre o que ele se cansou de repetir àquele seu fraquinho aluno, que tanto custou a aprender?

– Boa, Pedrinho! Claro que sim!

– Ahhh! E…

– E?!… Diz, Pedrinho, se faz favor!

– E… achas que um retrovisor e uns óculos de ver ao perto são presentes de… mestre?

– Ah! Ah, Pedrinho! Presentes de mestre?!… Não me parece! Um vê o que se passa atrás, portanto muito bom para quem tem problemas de coluna e não consegue virar-se; o outro não alcança bem o que tem mais à frente. Hum! Isto é um caso…

– De polícia, Petrinha, por causa da segurança rodoviária?

– Boa, Pedrinho! Mas… para mim, é mais um caso do SNS.

– Do Serviço Nacional de Saúde, Petrinha? Não entendo!

– Sim Pedrinho! É um problema da vista; é preciso ir ao oftalmologista!

Acolher e Desprezar
Dezembro 30, 2016

roda-ondulada-2012

Acolhe a sensível humildade, e despreza os gestos gentis a prepotente vaidade!

A Confusão do Julgador
Dezembro 30, 2016

presente-da-natureza-2012

Julgar não é saber, mas tactear no escuro sem nada ver, perdido na confusão das frias paredes sem espelhos com ecos de arrepiante silêncio no inatingível “eu” do profundo mar de cada ser!

O Sonho
Dezembro 30, 2016

redes-de-esperanca-2012

Abre o teu coração ao sonho e abraça cada dia com a alegria de uma canção, despertando primaveras no sorriso do teu irmão.

A Essência e a Aparência
Dezembro 30, 2016

unhas-de-cristal-2012

Não é o ensaio das palavras, nem a leitura soletrada que transforma o coração, mas a verdadeira conversão, porque a verdade não reside na aparência, mas na virtude, voz da essência!

Aerograma N.º 27 – O Teu Aniversário
Dezembro 30, 2016

mar-de-diamantes-2012

Minha Querida,

Acariciei-te amorosamente no ventre da tua mãe desde que ela me anunciou que estava grávida – “És a primeira a saber!” , disse-mo, eufórica, com a análise na mão!

Falava carinhosamente contigo, sem saber se iria ter uma sobrinha ou um sobrinho, à medida que ias crescendo, brincando, fazendo ondas como se jogássemos à apanhada.

Quando soube que eras uma menina, resolvi começar a fazer-te um pedido: teres os lindos caracóis da tua feliz mãe.

Quando nasceste, fizeram-me a tua bela descrição, mas… ninguém me falava sobre a concretização do meu desejo; tive de perguntar. Fiquei a saber que… a tua cabeleira não era farta, nem encaracolada!…

Mas…

Apaixonei-me, como todos, pelo nosso precioso presente de Natal!

Há dias, quando andávamos atrás das notas do concerto, saltitando da exiguidade de espaço para o outro, algo imprevisto, olhei para os teus longos cabelos lisos, e sorri para mim, pois o momento não era propícios a conversas íntimas, sobretudo por que urgia acalmar ânimos maternos, o que fazias com mestria, ansiando assistir à exibição da tua pequena irmã.

O que quero dizer-te, em jeito de parabéns adiados, porque revivi estes momentos no dia 25, é que gostooo muito da tua cabeleira, que a tua mãe já não precisa de procurar cortes curtos e ousadamente modernos, moldando a serena beleza do teu rosto com olhos pintados de doçura, e reiterar o que sempre me encantou em ti: saberes ouvir, aprenderes rápido, teres sido um exemplo de dedicação à tua mãe-amiga, de obediência, e de cumplicidade na alegria e nas amarguras, tornando-te sua defensora, emanares paz, calma, sabedoria para ires vencendo, maturidade para acolheres a nova família e perdoares os desvios que te vitimavam!

Parabéns, Princesa, por tudo! Sê fiel às tuas essências e muito feliz!

Abraço desta orgulhosa titi!