Archive for Novembro, 2013

A Magia da Caixinha de Chá
Novembro 30, 2013

Saqueta para Infusão by lusografias

Os gestos simples podem transformar-se em grandes alegrias, sobretudo para quem se alimenta de solidão!

A aquisição, logo ali ao virar da esquina, de uma caixinha de chá, que a Sr.ª idosa e queixosa não tinha em casa, e de que necessitava para aliviar a sua indisposição, foi um remédio santo para despertar-lhe a boa disposição, antecipando a infusão!

Anúncios

Eu, o Solitário Corta-Papel!
Novembro 29, 2013

Corta-Papel

Sou um solitário corta-papel!

Estou abandonado no fundo de uma gaveta!

Era tão bom o aconchego das canetas, das lapiseiras, e das esferográficas, e as conversas com elas e com os lápis perfumados de madeira fresca quando habitava no porta-canetas amarelo com uma menina pintada de azul, e podia olhar à minha volta, espreitar pela janela, e divertir-me com as brincadeiras dos miúdos!

Mas, os livros já não têm os mistério das páginas unidas umas às outras!

E as cartas?!… Ai, as cartas! Escreve-se pouco, e os sobrescritos já não gostam, nem precisam de ser lambidos pelas línguas com caretas, nem do pincel dos CTT, escorrendo cola líquida acastanhada, do frasco de vidro com tampa preta, para serem colados, e ninguém abrir a correspondência, nem poder ler o que quer que fosse, sobretudo as cartas de amor!

Imaginem… que agora os sobrescritos, a maioria, tem dentes! Então, fecha-se-lhes a boca, unindo-os, e pronto!

E para abrir?!…

Para abrir, é fácil, porque basta tocar nos lábios colantes com os dedos, fazer um simples e ligeiro gesto, para eles se abrirem, e mostrarem os dentes com um sorriso!

Sou um solitário corta-papel!

Ninguém se lembra de que existo, porque já não faço falta!

E… alguns, coitados, nunca tiveram o prazer de conhecer-me, nem de sentir o meu nervosismo, ansioso por mostrar uma página de um enredo empolgante, ou  uma fotografia com dedicatória escondida numa carta, ou de ser surpreendido por uma rica nota de vinte escudos, a que alguns chamavam paus, se bem que fossem carícias para as suas algibeiras, quase sempre rotas!

Quando Eu For Grande – Segundo Desejo
Novembro 29, 2013

Menina Grande

Quando eu for grande, quero ser o vento norte!

Querem saber porquê?!…

Porque…

Quero brincar à apanhada com as crianças!

Quero marcar golos com as bolas roubadas pelo mar, devolvendo-as aos seus pés dos miúdos!

Quero sentar a pequenada de palmo e meio, de dois e de três palmos, magrinhos e gordinhos, nas mochilas que carregam às costas, e deixar cada um à porta da sua escola, descendo das minhas asas!

Quero levar todos os meninos e meninas e jovens de regresso a casa, à sua casa, à casa onde o amor os espera onde quer que fique!

Quero levantar a saia da serigaita atrevida, para ela aprender a descer um pouco a bainha!

Quero esticar os calções curtos da perna bem feita até aos joelhos para ela não se constipar, nem entontecer os velhotes, que nunca viram uma coisa assim!

Quero remendar as calças propositadamente rotas, aquelas muito modernas, com poemas escritos com pétalas e com muitos sorrisos!

Quero içar as velas dos barcos, e ajudar os pescadores a vencerem as marés altas até chegarem a um porto de abrigo onde os braços do lar os aguardam!

Quero fazer uma roda enorme à volta do mundo com todos os homens, depois de ter penteado as ideias desgrenhadas de vazios ideais, para que sirvam o bem-estar do Homem e da natureza!

Ser Generoso e Sério, um Prejuízo Oportunista
Novembro 29, 2013

Casa Arruinada

Choca-me o vergonhoso oportunismo de pessoas que se aproximam de gente sério, e que subiu alguns degraus à custa de muito trabalho e sacrifícios, solicitando-lhes para arrendar espaços com recheio, por viverem em más condições, que negoceiam preços, que acolhem, aparentemente reconhecidos, a compreensiva generosidade dos carentes senhorios, que imaginam ricos ou seu pais/tutores, poupando-lhes a caução, dispostos a esperar pela semana seguinte, quando receberem os ordenados para liquidarem a primeira mensalidade, usufruírem, deixarem passar as semanas e os meses,  e… não pagarem, fazendo ouvidos moucos aos apelos de direito e de dever, recusando chamadas, desrespeitando os outros!

Mas, bastaria uma honesta palavra para a compreensão ser aumentada, e o prazo alargado, porque a vida não está fácil para ninguém, e todos precisamos uns dos outros, e… quem não pode, não assume compromissos – será que os assume consigo?!…

Gente Boa da Minha Aldeia – O Vendedor de Toalhas
Novembro 29, 2013

Quilha de Barco-reflexos, 2012

Na minha aldeia, havia um vendedor ambulante muito pitoresco: o Donim das Toalhas!

Era um homem alto e forte de trato afável e educado, mas de poucas falas, que denunciavam a sua origem nortenha.

Empurrava um carrinho retangular, de madeira semelhante a uma banca da praça, mas gigante, com uma rodas enormes, deslizantes  e silenciosas.

As toalhas estavam dispostas por tamanhos e tipos e, algumas, as mais pequenas e coloridas, umas lisas – eu namorava a amarela! – , outras  floridas e estampadas, expostas numa corda, esvoaçando na sua beleza ao sabor dos movimentos da pesada loja ambulante, chamando a atenção dos tentados e necessitados clientes, particularmente das crianças encantadas pela sua magia, sulcando as ruas, e atravessando os bairros pobres como botes carregados de pescaria!

Pueril e Fugaz Encontro
Novembro 29, 2013

Degraus da Praia

Crescem flores nos degraus de madeira carcomidos pelo tempo, beijando os pés descalços envoltos de areia com sabor a sal!

E só as crianças param, olham e tocam a  cor sedosa da sua delicada beleza, momentaneamente,  mas os apressados e indiferentes adultos, repreendem-nas, e chamam-nas, quebrando o encanto pueril do encontro  das maravilhas da natureza!

A Saudade
Novembro 24, 2013

Abraço de Céu, 2013

A saudade nasce quando é anunciada a chuva da partida.

Na ausência, sentimo-la repassar-nos, e… esperamos!

Antres do regresso, sacudimo-nos!

À chegada, corremos um para o outro!

E… a saudade seca-se no nosso abraço!

Cegonhas na História da Humanidade
Novembro 24, 2013

Cegonhas, 2013

As mães, envergonhadas da beleza da natureza humana, inventaram que os bebés vinham no bico de uma cegonha, e os pais hábeis e conscientes da extinção das espécies, decidiram fazer esculturas de ninhos de cegonhas, e deixar o registo histórico da sua presença no litoral alentejano onde muitas, não obstante estarem reformadas da tão sublime tarefa,  ainda  usufruem do prazer do seu habitat!

A Vida É uma Dança!
Novembro 24, 2013

Danças de Ondas, 2013

A vida é uma dança!

De manhã, ao meio dia, à tarde, à noite tudo dança!

– Dançam as palavras, e  dança a comunicação!

– Dançam as letras, e dança a literatura!

– Dançam as ondas, e  dança a maresia!

– Dançam as árvores, e dança a folhagem!

– Dançam as flores, e dança o jardim!

 – Dançam as aves, e dança o avião!

– Dançam as nuvens, e  dança a chuva!

– Dançam as tempestades, e dança o vento!

– Dançam as alegrias, e dança a tristeza!

– Dançam os afectos, e dança a indiferença!

– Dançam as verdades, e dança a mentira!

– Dançam os saberes, e dança a inteligência!

– Dançam os adultos, e dança a criança!

Tudo dança!…

E nestas andanças de tanta dança, é preciso acertar o passo, conforme a dança!…

Bom dia com passos firmes, seja qual for a idade, o momento, e a dança!

Quando Eu For Grande – Primeiro Desejo!
Novembro 24, 2013

Menina Grande

Quando eu for grande quero ser um barco de papel com um motor em forma de coração, e com asas de avião!