Archive for the ‘Dedo no Ar’ Category

A Riqueza do Ser Vivo
Junho 24, 2017

A riqueza do ser vivo é a conjugação do poema amar nos espelhos da manhã ao som das flautas das marés turquesa com colares de búzios nas mãos transparentes das crianças com lábios de luz lambuzados de beijos!

O Maior do Mundo
Junho 24, 2017

Julga-se o maior do mundo aquele que, na sua insanidade, diz tanto disparate que o interlocutor ignora a sua imbecilidade, protegendo a sua própria integridade com o silêncio, negando-se a mostrar-lhe a verdade!

O Vazio da Vida
Junho 24, 2017

O peso da idade não verga os sentimentos, aviva-os, privando a vida da partilha, esvaziando-a com a partida dos entes queridos!

A Solitária Soberba
Junho 23, 2017

Não te empanturres de soberba, para não acabares sozinho à mesa!

O Borbulhar do Silêncio
Junho 23, 2017

Os gestos borbulham nas águas transparentes do silêncio com gemidos adormecidos nas noites esquecidas e nos dias sem vida!

Amigo-Emergência
Junho 9, 2017

Não queiras ser apenas um caderno de significados, nem uma mera sebenta cheia de apontamentos para quem se diz teu amigo, mas só se lembra de ti quando se acha perdido no meio dos seus desconhecimentos, e vem ao teu encontro em busca dos teus ensinamentos.

Mendigar
Junho 9, 2017

Mendiga-se o pão à espera de caridade, mendiga-se o trabalho em busca de igualdade e mendiga-se o amor na vã esperança da felicidade!

A Mão de Irmão
Junho 9, 2017

Não negues a tua mão a ninguém na aflição, porque ela é uma florida hera puxando-o do chão, uma parte do corpo esculpido nas malhas da injustiça, uma pétala de esperança brilhando no vaivém da escuridão.

E…

Na solidão da dor do seu barco sem proa, na perda dos seus remos de coragem levados pela força da ondulação, na ausência das palavras perdidas na noite sem luar, despertam pérolas dos seus silenciosos olhos, soluçando nos ecos da criação: Obrigado, meu irmão!

Os Calceteiros sem Rosto
Junho 8, 2017

Os alicerces da humanidade são calceteiros sem rosto no labirinto em que a pressa do presente transformou o jardim florido de esperança, secou as fontes musicadas de poesia, perseguiu a alegria banhando-se no sol do meio-dia!

As Expressões das Dores
Junho 7, 2017

As dores profundas irrompem nos soluços sem lágrimas, sobressaltando a madrugada, e queixam-se nos sombrios suspiros voando na vertigem da noite velada.