Archive for the ‘Dedo no Ar’ Category

A Riqueza da Escrita
Dezembro 7, 2017

A escrita é uma flor a desabrochar do coração de uma criança, uma montanha que ela constrói na planície, uma casa habitada de memórias, de criatividade e de realidade com trepadeiras nas janelas, uma luz beijando os sentidos com sabedoria e risos, uma onda de amor no voo azul do poema da liberdade!

Anúncios

A Luz da Confiança
Dezembro 7, 2017

A confiança é o sol brilhando no inesperado momento de mudança!

A Inteligente Escorregadela…
Dezembro 6, 2017

O mais inteligente e equilibrado quando comete um erro é… daqueles de cair para o lado!…

Os Falsos Benefícios da Cadeira e Afins
Dezembro 2, 2017

Não é a cadeira que dá a competência, nem a categoria que atribui a valência, nem o estatuto que dá a retidão, nem o poder que enaltece a eleição, nem a tirania que produz a boa gestão!

Porque…

Para além da boca inchada que se acha invencível, poderosa, determinada, que muito fala e não diz nada, também a sua autoridade nada tem a ver com a sua capacidade!…

Rugas
Dezembro 1, 2017

Rugas são projeções expressivas, sinais do tempo, sulcos de tristeza, trilhos de amor, dobras de lenços molhados de dor…

A Diferença e a Humanidade
Dezembro 1, 2017

A diferença não é superioridade, mas um ponto comum entre a humanidade, a harmonia na sua diversidade!

A Força e a Destreza
Dezembro 1, 2017

A fortaleza revela-se nas vicissitudes, na aceitação da dor sem rendição, no erguer-se e no recomeçar com firmeza, espantando o desafiante sofrimento com olhos abertos ao Céu azul, às pedras do caminho e à luz da razão, pés ligeiros na subida e no tropeção, e mãos ativas na reconstrução!…

O Perigo das Surpresas
Dezembro 1, 2017

As surpresas são relâmpagos que podem encandear a cor das paredes do ser, desenhar sombras em vez de pintar bosques na face rosada, afundar pés na fria água salgada, tropeçando na forma da concha escondida com bico de águia na voz sibilada da escrita inesperada…

A Emancipação
Dezembro 1, 2017

A emancipação é a luz do dia, abrindo as portas do ser, o princípio da auto-suficiência, a subida dos degraus da subsistência, ganhando o pão com o esforço da própria mão, o voo no eco da esperança, as pegadas na dança com as nuvens, a água soprando no canto do búzio na orla de cada madrugada!…

Os Mártires do Nosso Tempo
Dezembro 1, 2017

Os mártires do nosso tempo são: os prisioneiros de guerra, os apátridas, as vítimas do terrorismo, os filhos da discriminação, os inocentes perseguidos, os solitários aterrorizados, os encurralados viciados, os excluídos injustiçados, os cruelmente abandonados com: corpo, mente, vida, esperança, dignidade e sonhos esfarrapados…