Archive for Março, 2019

A Cidade Grande – O Centro das Atenções
Março 27, 2019

Era um cãozinho muito, muito pequenino, branquinho e sarapintado de castanhozinho com um focinho levantado e uma fininha alça de metal de um balde minúsculo nos seus dentinhos pendurada, mendigando numa rua da Baixa Alfacinha uma moedazinha para o ritmado acordeão do seu dono a seu lado no chão muito bem sentado!

E…

Toda a gente olhava, parava e sorria, e ao pedinte cãozinho ninguém resistia.

Persistência para Vencer
Março 27, 2019

Evitar a vida é falta de coragem para vencer, tremendo com medo de algum trambolhão, sem memória de que para aprender a andar caiu, e levantou-se do chão.

O Novo Caminho
Março 27, 2019

Traçar um novo caminho é escutar de mansinho o burburinho secreto do coração e dar-lhe um empurrãozinho com vontade forte e muita imaginação.

A Menina Azul e os Desabafos dos Motoristas
Março 27, 2019

Na cidade grande, em dias consecutivos e horas diferentes, a Menina Azul deslocou-se três vezes de táxi: três veículos diferentes; três percursos diferentes; três motoristas de idade e fisionomia diferentes, mas todos tinham algo em comum, além da prestação de serviço público, do género, e de terem família e serem pais de estudantes, exceto uma jovem enfermeira estagiária, que trabalhava muito num hospital público fora da capital: desabafavam.

Os três motoristas diferentes foram pacientemente escutados pela Menina Azul que, de vez em quando balbuciava algumas palavras de gentil apreço, ficando a saber que:

– todos tinham preocupações em relação ao tempo, não fosse a tão desejada chuva pregar-lhes uma partida fora da época, por causa das férias já marcadas, umas para Maio, outras para Agosto – “infelizmente!”- outras para Setembro, todas com destinos diferentes: à beira-mar para desfrutar da praia; na aventura de um cruzeiro; no Norte onde a comida é “do melhor” e não se houve o bulício da cidade, nem se respira a poluição;

– todos far-se-iam acompanhar, além das esposas e filhos, pelos os pais e os pelos sogros – “férias em família”, de facto;

– todos desempenhavam uma atividade nova na sua vida, pelo menos havia uma década: um trabalhara para o Estado, e agora vingava-se, não votando; outro vira a promoção perdida na sequência da falência da empresa, o terceiro fora imigrante e conservava a memória de um dia estar a admirar uns relógios numa montra em cujo estabelecimento acabaria por entrar, não obstante não ter poder de compra – “sós para ver”-, seguindo um Sr. mal vestido e enlameado com duas crianças sujas com ar de quem vinha feliz da escola ou de um parque, surpreendido pela delicadeza da empregada no acolhimento do improvável cliente, comportamento que não vê no mesmo contexto no nosso país, e ficando boquiaberta com a aquisição de três relógios caríssimos…

E…

A Menina Azul, chegada aos locais pretendidos, pagava, claro, e, enquanto pegava na gorducha mochila, formulava aos três motoristas, aos óculos de um, ao cachecol de riscas, tipo indiano, de outro e às ruças do mais maduro, com um franco sorriso, os seus votos de: “Boas Férias!”

Amor de Pai
Março 27, 2019

Ama e prova o seu amor como árvore florida preparando os frutos até que amadureçam, o pai que rega os afetos, poda os galhos e abraça com luz a folhagem na dança que educa, que adoça o coração, e que à vida e à criação presta homenagem!

O Acróstico da Pagizinha
Março 27, 2019

A Pagizinha estuda com a mãe e com os seus explicandos quando se prepara para algum teste.

Mas…

Já dias, testou-se e presenteou-nos com este acróstico cuja publicação me autorizou, a qual partilho convosco.

O Gemido Rouco das Cinco da Madrugada
Março 27, 2019

O mar das imagens que acariciam os meus olhos despertam-me os sentidos interrompidos por um gemido rouco, mas incapaz de assustar as crianças adormecidas, sem sinal de voz humana, e fico atenta: trata-se de um carro pesado recolhendo o lixo.

Olho para o relógio, e curvo-me mais uma vez perante: a farda, as luvas e a dignidade dos respetivos e imprescindíveis trabalhadores, que como madrugadores pescadores saltam cedo da cama para “governar a vida”, iluminando a noite com o brilho dos seus olhos que só as estrelas, a lua, a maresia, o farol e o alvorecer de um e outro coração vislumbram na solidão de quem aos outros estende a invisível mão!

As Memórias Vivazes 
Março 24, 2019

As memórias despertam na doce primavera da emoção quando o tempo preservou as raízes dos afetos no coração.

O Crescimento da Flor
Março 23, 2019

Cresce o girassol na palma da tua mão com o canto da fonte do teu coração, deixando cair sementes no chão!

As Cicatrizes 
Março 23, 2019

As cicatrizes da dor adormecem com o doce afago da mão-cheia de amor!