Gente Boa da Minha Aldeia – O Milho-Pão e Fofo Colchão

arvores-verdes-douradas-2014

Pairava na melodia das palavras o aroma do pão de milho da infância amassado pela mãe na voz cálida de um dos senhores, saboreando o entardecer da vida num banco do jardim saudoso da música dos seus repuxos.

” – Quando dizíamos à minha mãe que tínhamos fome, ela ia buscar pão de milho e dava-nos; o pão de trigo era para a refeição!” – confidenciava o senhor mais forte aos seus atentos companheiros, com um sorriso sob o bigode desgastado pelos anos, coroado com o brilho de imagens sorrindo sob as redondas e grossas lentes.

” – Naquele tempo, era assim!” – respondia o senhor invisual, o mais novo, com o seu distinto chapéu salpicado de saudades do tempo em que era pescador. “E as mulheres iam para o campo, tiravam os vestidos das maçarocas, de graça; até faziam um favor aos lavradores e traziam o recheio para os colchões, que ainda punham a secar, e vendiam o que sobrava! Vinham carregadas, coitadas!” – continuava.

” – É verdade! – confirmava o senhor de lábios gulosos do pão de milho da sua saudosa mãe. “Já havia colchões de lã, mas isso era coisa para os ricos.”

O terceiro senhor, denotava uma silenciosa e profunda tristeza, limitando-se a concordar, quase sempre com a cabeça, mas ainda disse que na sua terra, a cidade vizinha, também era assim, sorrindo, contudo, também ele com ar malandreco, ao mesmo tempo que levava a mão à cabeça, quando o pescador disse, sorrindo:

” – Mas… aquilo fazia muito barulho! Uma pessoa nem podia mexer-se!”

E…

Atraída pela sua animação, eis que se aproxima uma senhora das suas idades com nome de flor, mulher rija, de peito erguido, voz forte e clara, perguntando-lhes por que se riam, mas o homem da faina, que já não enxergava o seu mar e que lamentara não poder ver o rosto da filha do seu saudoso mestre, que por ali passara e os cumprimentara, saltou da onda da conversa neste tom:

“- Olha a flor cantadeira!”

” – Cantadeira, sim, senhor, mas na minha terra!” – respondeu-lhe, expedita.

E…

O terceto, que se tornara num florido quarteto continuou numa animada cavaqueira com a serenidade de quem não tem pressa e dispõe da vida inteira para ser acariciado pelo sol de outono, brilhante e amigo, aquecendo-os, despertando-lhes douradas memórias, arrancando-lhes sorrisos.

Advertisements

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: