Archive for Agosto, 2016

O Precioso Silêncio
Agosto 15, 2016

Beijos de Cristais de Ondas, 2014

O silêncio é uma pedra preciosa na ociosidade das vis palavras de metal, fazendo tlintlim na transparência cintilante das suas sílabas de cristal!

A Família Social
Agosto 15, 2016

Castelos Solitários, 2015

A família social é aquela onde se brilha com a máscara da constante boa disposição no excessos das palavras, encenando o falso papel de palhaço, subindo ao palco da mentira, protagonista de riso, elegendo patuscadas bem regadas, alimentando-se de galhofeiros aplausos vazios de verdadeiro, inteligente e saudável bom humor!

O Tinir do Vil Metal
Agosto 12, 2016

Pedras Negras Cativas, 2014

O tinir do vil metal, sobretudo quando se fazem contas à sua versão em papel, que é mais volumosoa e valiosa, ensurdece a inteligência, empobrece os valores afetivos e entorpece os passos e os gestos criativos, deixando condenados e cativos os que se esquecem e/ou desconhecem a riqueza da partilha do amor, ecoando versos felicidade!

A Riqueza Afetiva do “Se”
Agosto 12, 2016

Puras Pétalas de Amizade, 2015

” – Olha, a gente encontrou-se outra vez! Quem se quer bem, sempre se encontra! É verdade” – gritou sorridente, rosada e vivamente a pequena, apressada e acalorada senhora da fila do supermercado, segurando uma blusa de ganga florida, abanando-se com um chapéu igual!

A senhora a quem se dirigiu sorriu e concordou, discretamente!

” – Gostei muito de ver a senhora! Saudinha da boa e tudo bem para a senhora, os seus filhos, o seu marido, a família! Estão todos bem, não é verdade? Isso é que é preciso! – continuava, expressando muita alegria!”

A interlocutora agradeceu e retribiui os votos, discretamente! Depois, como quem pensa em voz alta, a pessoa que seguia a seu lado ainda a ouvir sussurrar:

” – Não percebo porque é que ela insiste em tratar-me por “senhora”, em vez de por “tu”, se andámos juntas na escola, mas… foi sempre assim; até me sinto mal, mas… nem ouso corrigi-la, porque estou certa de que magoaria a sua sensibilidade!”

A Motivação sem Asas
Agosto 12, 2016

Guardiãs Solitárias

A motivação é abrir as asas e seguir os próprios voos nas rotas delineadas e nas surpreendentes descobertas ao encontro da venturosa aventura da vida!

Mas…

Pássaro de asas cortadas não voa, e se tenta, magoa-se e cai ferido, perdido para sempre, sem cumprir o seu destino!

Pai / mãe, porque não deixas voar o teu menino(a)?

As Asas Cortadas
Agosto 9, 2016

Primavera da Estação, 2016

Os pássaros-meninos-meninas precisam de aprender a voar sem as asas cortadas para não tropeçarem nas árvores, não caírem no chão e não partirem os narizes nas suas raízes não regadas, e um dia poderem deixar as suas pegadas nos trilhos das verdes, das azuis e das douradas madrugadas!

Sorriso do Dia – O Abraço
Agosto 9, 2016

Mimos Cor-de-Rosa, 2015

O abraço é o sorriso do dia estendendo-se de dois brilhantes, doces e profundos olhos, cingindo-nos no intenso e prolongado silêncio que só a pueril força consegue renascer na madrugada fresca e florida de alegria!

O Fogo, o Fôlego e a Vida
Agosto 9, 2016

Lágrimas do Céu, 2015

O fogo tira o fôlego, e no meio das cinzas foge-se ao vazio, faz-se o luto e abraça-se com lágrimas o bem maior: a vida roubada ao escaldante vento!

Aprender a Acolher o Próximo
Agosto 9, 2016

A Revolta das Ondas, 2014

Se em vez de julgar, generalizando ímpia, trocista e levianamente a realidade que desconhece, o douto se dignasse a acolher e a escutar, prestaria um grande serviço ao próximo, e ensinaria, aprendendo a amar no seu dia-a-dia, respirando a paz, cultivando a harmonia!

As Asas do Sonho
Agosto 9, 2016

A Esperança, 2015

Um jovem procura no vazio da sua vida uma força que ajude e proteja a família, principalmente o pai, e na aridez e no desencanto do caminho, pede à arte que lhe faça no braço um desenho de uma ave de rapina noturna como se fosse lampião, iluminando os seus passos com olhares para além do chão, sonhando alcançar metas com imaginárias asas, crescendo na sua mão!