Dedicatória e Dedicação – 2.ª Página

Um dia, o barulho de uma mota interrompeu o sono do mar e das crianças do bairro e silenciou-se à nossa porta.

Alguém chamou pela minha mãe e no seu rosto avivou-se a alegria do reconhecimento de uma saudosa voz masculina.

– “Parece-me a voz do M(…), mas não pode ser!” – retorquiu como quem se cruza com um sonho.
Pousou a sua gigantesca e inseparável caneca de café sobre a mesa da cozinha e correu para a porta.

Lá fora, junto ao portão, dois rostos sorridentes esperavam-na. Um abraço uniu dois amigos-irmãos – decorridos anos, ele escolhera-a para o seu reencontro com o perfume marinho da sua terra e a força inalterável das suas raízes.

A esposa, de calça justa – peça de vestuário adequada ao meio de transporte que os trouxera até ao litoral alentejano, mas ainda invulgar na província – e de capacete na mão, sorria como uma criança num dia de festa.

Eu, pequena e magricela, olhava-os timidamente surpreendida – recordo-me do M(…) ter-me pegado ao colo e da ternura das mãos da B(…) sobre a minha cabeça.

Este dia marcaria um ciclo renovado de viagens, de crescimento de afectos, de encontros e de partilha, que os anos foram desenvolvendo e fortalecendo.

(continua)

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: