O Avô Contador de Histórias – 6.ª Página

O rio da minha avó ficava num morro de frente para as Amarelas e a Terra Firme e tinha uma pequena caniçada que a protegia da ventania e dos espirros do mar quando estava alvoraçado, barreira tentadora para a minha curiosidade de espectadora dos pescadores, principalmente do meu avô e dos meus tios, que exibiam, satisfeitos, os peixes que iam apanhando, ao que eu assistia aplaudindo, de pé, encostada às canas, sabendo que não podia dar um “passo à gigante” em frente.

O meu avô contador de histórias despedia-se de mim, recomendava-me que ficasse sossegadinha, que ele já vinha, e afastava-se com as canas às costas – ele próprio as apanhara, limpara-as e preparara-as -, e uma alcofa na mão com umas ervas verde-escuras – marinhas, “erva da salema” -, que tinham uma “bolinhas”, que eu gostava de fazer estalar com os dedos num esforço atlético, e que os meus sábios pescadores punham no anzol como isco – primeiro pisavam as restantes farripas com pedras e atiravam-nas ao mar para engodarem as salemas, que gulosamente se atiravam às “bolinhas”.

(continua)

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: