O Avô Contador de Histórias – 2.ª Página

Adorava contemplá-lo na sua azáfama apressada, ritmica e constante, embora me entristecesse assistir à desmontagem da fugaz exposição do pescado, ordenado geometricamente por espécies sobre a areia prateada.

O meu coração saltava de alegria quando, por vezes, o chamava cá do alto e ele me respondia, acenando-me sem parar, mas sobretudo quando já tinha passado a hora do almoço e eu corria ágil e leve à frente da minha mãezinha com uma “buchinha” e fruta para lhe oferecer – que delicioso abraço que ele me dava com os seus braços de gigante protector e que ternura embaladora sussurrava ao meu ouvido: “minha passarinha!”

Mas apressava-se a despedir-se, pois tinha de continuar a trabalhar e especialmente por que a ribeira, gruta magicamente colorida para os meus olhos e curiosidade de criança, apesar de não perceber, nem conhecer algumas palavras que os homens trocavam entre si, não era lugar para meninas!… – e aquelas senhoras que lá estavam a ajudar?!…

(continua)

Anúncios

2 Respostas

  1. Quero mais!!! Muito mais 😀

  2. … eu também!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: