Archive for Abril, 2007

Alex
Abril 7, 2007

Este é o mais maravilhoso sorriso que se pode receber num dia – ontem -, pintado com as mãos e o coração do meu querido e inesquecível amigo Alex – muito, muito obrigada!

Ainda bem que a Guida só mo entregou nesta altura do ano, porque, além de me ter proporcionado uma grande alegria, considero-o um lindo, único e especial “ovinho” de Páscoa!

Beijinhos, Alex, e obrigada!
Tenho muitas saudades tuas!

Prato do Dia
Abril 6, 2007

Sorriso do dia é um prato de iguarias variadas, apaladado com migalhas de alegria e servido no dia-a-dia do banquete da vida.

O Silêncio do Amor
Abril 6, 2007

Patos

O silêncio de quem se ama é :

– ribombo que estremece um coração sereno, doce e saudoso;

– nuvem que entristece um entardecer de esperança;

– lágrima que queima um rosto outrora acariciado por uma criança.

Mentes e Línguas
Abril 6, 2007

Idosos

Mentes conspurcadas pintam com línguas embusteiras e venenosas o auto-retrato e entregam-no a outrem, identificando-o como o de uma terceira pessoa, mas a falsa máscara não lhe serve, e desfaz-se lenta e surpreendentemente na mão débil de quem a recebeu, perante a íntegra e inequívoca realidade – pena é que, nem sempre haja tempo e oportunidade para a revelação.

Manhã Mágica
Abril 2, 2007

Menina ao Vento

Casas, carros, telhados, árvores, asfalto, roupa estendida descolorados, amarelecidos por insistentes e esparsos reflexos do sol que não conseguia irromper por entre as espessas e negras nuvens para beijar a cidade.

A janela escarlate estava laranja, uma menina encantada admirava a magia da cor espalhada à sua volta, olhava para si e tocava a sua roupa, subia o cerro, erguia os braços tentando alcançar o mar da cor das nuvens, as árvores outonais na Primavera, os campos pintados de girassol e, finalmente, o esplendoroso arco-íris desenhado do céu!

Sorria, batia palmas e ouvia o eco :

” – Lindooooooooooo!”

Uma carícia fresca da madrugada deslizava no seu rosto, depois outra e outra cada vez mais intensas.

As mãos abertas acolhiam o granizo que se derretia, os olhos fechavam-se e a menina rodopiava saboreando o abraço da mãe natureza, no silêncio adormecido do vento!

Lutar e Vencer
Abril 1, 2007

Dedo no Ar

Saber-se indesejado e vencer, é ser-se lutador, e sair-se vitorioso!

Brasa e Abanico
Abril 1, 2007

Amor-Perfeito

O amor quer-se brasa num fogareiro onde se prepara o banquete da felicidade e o abano – ou abanico – é o responsável pela incandescência da chama.

D. Pimpona – 5.ª página
Abril 1, 2007

Coração Florido do Poeta, 2009

– A Sr.ª D. Pimpona chamou?
– Sim, preciso que mudem tudo o que está nas arcas para outros sítios antes da desratização, mas é já!

As duas empregadas da Alcáçova Assombrada começaram a tirar tudo o que havia numa das arcas: lençóis dentro de bacias de esmalte floridas; cartas de amor coladas com pastilha elástica; chocolates dentro de sapatos; bolas saltitonas nas luvas; lãs enroladas nos pentes; travessas para o cabelo num guarda-jóias!…

– Onde podemos colocar tudo isto?
– Não sabem? Que incompetência! Pensem! Vou ver o que estão a fazer ali ao lado e quando voltar quero tudo arrumado. Ouviram bem?!… Toca a despachar!

A porta deu um estrondo, as empregadas estremeceram e olharam uma para outra pestanejando.

Foi então que: os lençóis fugiram para a última gaveta da cómoda; as bacias esconderam-se atrás da porta; as cartas saltaram para dentro dos guarda-jóias; os chocolates voaram para o jardim; os sapatos começaram a dançar com as luvas gesticulantes; as bolas atiraram-se ao lago; os pentes acariciaram a cabeça da jovem atónita e as travessas tiraram os cabelos dos olhos da Sr.ª sem palavras.

Entrou a D. Pimpona de nariz arrebitado, dedo ameaçador e com a boca cheia de pedras, mas antes que ela as arremessasse, as lãs passaram-lhe uma rasteira.